Skip navigation

Devido a alguns probleminhas técnicos, este blog ficou inativo por um loooongo e tenebroso inverno. Perdemos a classificação de Tuna e Castanhal, os reforços de Remo e Paysandu e por aí vai. Mas compensarei o tempo perdido nos próximos dias.

O CAFOFO VIRTUAL, VOLTOU!

Tuna Luso 1 x 2 Sport Belém

Não sou galinha, mas fui dar uma bicadinha na Curuzu. Jogo na Curuzu, porque a diretoria da Tuna deixou para reformar o gramado justo na época do Parazão. “Coisa de português”, comentou um repórter setorista da Águia do Souza. Os tunantes até começaram bem, mas aos 23 minutos, a defesa resolveu ficar olhando Carlinhos Maraú cruzar e admirar Alex marcando de cabeça.

A Tuna se perdeu, errava passes e o atrevido Fininho tentava resolver tudo sozinho. Foi premiado pela sorte. O cruzamento na área foi bisonho. Mas o goleiro Malhado resolveu tentar cortar a bola que ia pra fora e acabou entregando nos pés de Fininho.

O estreante Diego Índio botou o Belém na frente e o Dragão se fechou. Mesmo assim, a Tuna encontrou espaços, mas perdeu seguidas chances. De cara para o gol e com o goleiro batido, Pituta conseguiu achar a trave. Belém 2 a 1 e com o resultado, o Brasinha ficou mais distante da zona de rebaixamento. Já a Tuna complicou suas chances de classificação. O técnico Zé Carlos culpa a falta de reforços e até o gramado da Curuzu. Enquanto a diretoria tunante prefere culpar a FPF por não dar à ela, Remo e Paysandu uma vaga vitalícia na fase principal. Se os tunantes não olharem para o próprio umbigo e verem os seus próprios erros, vão passar mais uma temporada de fora do Parazão.

Abaeté 2 x 7 Castanhal

Que o Castanhal era favorito, mesmo fora de casa, não havia dúvida. Mas o placar surpreendeu até mesmo o mais fanático castanhalense. Luis Carlos Apeú investiu em uma formação ofensiva e foi premiado. Junte-se isso a uma atuação inspiradíssima do atacante Branco e a goleada foi construída. Os quatro gols podem ter valido ao roraimense de Caracaraí uma vaga no Remo de 2011. Após o jogo, o técnico do Guará, Ney Sorvetão reclamou horrores da estrutura do time.

Santa Rosa 1 x 4 Ananindeua

O Santa Rosa até chegou a estar na frente, mas o Ananindeua se impôs e virou o jogo sem muita dificuldade. O resultadio deixa a Tartaruga na liderança e ainda mais perto da classificação. Sem nenhum ponto, o Santa vai caminhando rumo ao rebaixamento. O casamento com Mãe do Rio não está sendo dos mais felizes. O novo técnico, Sérgio Rodrigues, vai ter que quebrar a cabeça.

Parauapebas 1 x 1 Time Negra

O Time Negra se reforçou com titulares do Paysandu na Série C, como Tiago Potiguar e Marquinho. Mas nem isso foi o bastante para passar pelo Parauapebas. Com apenas dois pontos, o Papão B ficou com poucas chances de avançar, enquanto o PFC caiu para terceiro. Um ponto que pode fazer falta na disputa contra o Castanhal pelo segundo lugar.

Diego Barros (zagueiro/Remo) – Tecnicamente, é uma incógnita. Esteve na reserva do Mixto, que ficou pelo caminho na Série D do Brasileirão. Mas pelo lado do coração, um golaço da diretoria eleita do Leão. Diego é um dos pouquíssimos jogadores que conseguiu virar ídolo nos últimos anos. Adriano também foi, mas sem o mesmo carisma do zagueiro.

Paulo Sérgio (zagueiro/Remo) – Teve passagens pelo Inter de Pato e Taison e pelo Moto Clube. Entra por causa da famosa política do barato adotada pelo clube. Se é bom, esperar pra ver.

Thiago Marabá (atacante/Remo) – No Águia, sempre se destacou pela habilidade. Exagera um pouco na individualidade às vezes. Virou um jogador de segundo tempo em Marabá e aceitou de bom grado. Se quiser fazer sucesso no Leão, terá que mostrar em campo que não aceita essa condição.

Saída

Paulão (zagueiro/Paysandu) – Altos e baixos. Ao lado de Leandro Camilo, formou uma zaga que não tirava suspiros dos bicolores. Mas se comparado com Luciano/Roni ou Wellington Paulo/Arcelino, fizeram sucesso. Em pleno mês de dezembro, onde quase todos os jogadores de bom nível acertaram contrato para o Estadual, vai ser difícil achar um zagueiro da mesma qualidade no mercado. O jeito será apostar em Bernardo, um dos destaques do Águia na Série C e no Parazão.

Ananindeua 1 x 0 Sport Belém

Esperava-se uma vitória fácil da Tartaruga, mas o Sport Belém foi valente. Só faltou o Dragão acertar as finalizações, como aconteceu diante do Time Negra. Rafael Oliveira, autor do gol do título do São Raimundo na Série D de 2009, se juntou a Helinho na artilharia do Parazão, com 2 gols marcados. Se continuar assim, deve reforçar o Remo na fase principal.

Castanhal 2 x 2 Parauapebas

O Japiim perdeu a chance de ficar ainda mais próximo da classificação. Fez 1 a 0 com o experiente Soares mas tomou o empate com Diego Silva. Branco marcou o segundo do Castanhal e na sequência, Ró igualou. Um dos destaques do PFC foi o lateral Lima. O jogador, que mal passava do meio-campo nos tempos de Remo, não parou um minuto e deu trabalho para a defesa castanhalense. Já foi jogador de Paulo Comelli no São Bento, da Série A-3 do Paulista de 2001. Será que ele não volta?

Tuna 2 x 0 Time Negra

A FPF não ajuda a deixar a Primeira Fase mais profissional. Mas os jogadores também não colaboram. Brayan, lateral do Time Negra cedido pelo Paysandu, foi expulso de campo por estar sem caneleira. O Papão B era melhor em campo, mas tomou 1 a 0 na cabeçada do estreante zagueiro Charles. Desorganizado em campo, fez de tudo para sofrer o empate. Ainda conseguiu ser premiado com o segundo gol no final da partida, através de Cleidir.

Abaeté 3 x 1 Santa Rosa

Veloz, mas de pouca técnica e faro de gol não muito apurado, Ivan ganhou o apelido de “Ivan, o terrível”, nos tempos de Remo. Para o Santa Rosa, ele foi terrível em outro sentido neste domingo, ao marcar duas vezes. Tetê fez o terceiro e no finalzinho, Emerson Bala fez o de honra do Santa, que fica na lanterna e vai cumprindo o papel de candidato ao rebaixamento que se previa ao Pantera antes da competição.

Sérgio Cosme é o novo técnico do Paysandu. Treinador de poucos títulos e com um currículo praticamente restrito aos clubes pequenos do futebol carioca. O último trabalho fora foi no Vila Nova, onde era coordenador técnico de um time que quase foi rebaixado para a Série C. E ainda ganhou um breve toque pop em 1996, quando comandou Toni Garrido, Guto Goffi, Tony Platão e outros craques do rock nacional unidos no time da MTV que perdeu por 13 a 0 para o Fluminense, em Moça Bonita, em 1996. Flu que ele ajudou a rebaixar na campanha de 1995 do Brasileirão.

Se Sérgio Cosme era a melhor opção, era melhor contratar um técnico local. Difícil de entender certas opções das diretorias dos clubes paraenses.

Castanhal 2 x 0 Tuna – Maximino Porpino

Os dois times sabiam que era um jogo de seis pontos. Japiim e Águia são dois dos favoritos na luta por uma das duas vagas, o que explica o nervosismo que levou a quatro expulsões, duas de cada lado. Helinho marcou duas vezes. O tunante, que compareceu em bom número em Castanhal, não deve ficar tão aflito assim. O meio-campo Fininho, vindo do futebol amazonense, deitou e rolou pra cima da defesa castanhalense. Pode fazer a diferença.

Ananindeua 2 x 1 Abaeté – Baenão

Ney Sorvetão implantou o 3-6-1 na decisão da segundinha e se deu mal. Perdeu os dois jogos. Insistiu com o esquema e viu o Guará ficar sem espaço por causa do congestionamento criado por ele mesmo no meio-campo. O Abaeté até saiu na frente com Emílson. Mas depois disso, a melhor estrutura e maior experiência da Tartaruga falaram mais alto e com gols de Kevson e Rafael Oliveira, o Ananindeua virou o jogo. Os autores dos gols podem até vestir a camisa do Remo em 2011. Nas tribunas, estava o novo técnico azulino, Paulo Comelli, ávido por jogadores bons e baratos.

Time Negra 1 x 1 Sport Belém – Curuzu

Pela empáfia que se viu durante a semana, esperava-se um Time Negra que atropelasse logo de cara. O Sport Belém saiu na frente, mas sofreu o empate logo depois. O Dragão só não venceu porque faltou pontaria.  Diante de um time que declaradamente só espera não cair, o Papão B ficou devendo.

Santa Rosa 1 x 2 Parauapebas – Mãe do Rio

O Santa Rosa se casou com Mãe do Rio por dinheiro. Mas nessa relação pecaminosa de santa com mãe, esperava também amor. Ganhou indiferença, pelo menos por enquanto. Pouca gente foi ver Souza dar uma esperança ao Pantera. O Parauapebas, fazendo a primeira partida de sua história como integrante da primeira divisão, não se abateu e virou, gols de Ró e Patrick. O PFC deve brigar com Castanhal e Tuna pela classificação.

Vai começar o Parazão. Perdão, foi muito sem graça. Vou repetir. VAI COMEÇAR O PARAZÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOOOOOOO!!!!! Agora sim! Finalmente bola rolando, após um longo e tenebroso inverno falando de terrenos, leilões, eleições, presidente afundou o clube, vice-presidente não prestou contas daquilo, superintendente de futebol foi flagrado beijando a mulher do outro no tanque! Chega!

Agora é hora de bola rolar. E me desculpem meus amigos. Troco qualquer decisão de campeonato na TV por um futebolzinho num estádio perto de casa. A partir de agora, estarei falando de cada um dos jogos, antes e depois. Que se danem Muricy, Fred, Ronaldo ou Montillo. Eu quero saber de Edmilson Cerpinha, Carlinhos Maraú, Landu e Paulinho 47.

Castanhal x Tuna

É o último jogo da rodada, mas é o mais importante. Aqui estão dois times que são favoritos a ficarem com uma das duas vagas para a próxima fase e se juntar a Remo, Paysandu, Águia, São Raimundo, Cametá e Independente. Ambos ficaram de fora ano passado devido a experiências traumáticas.  A Tuna decidiu “cooperativizar” o elenco e fracassou mesmo jogando quase todas as partidas em casa. O Castanhal terceirizou o futebol para o ex-jogador e empresário Flávio Goiano, que acreditou que poderia emplacar seus “craques” e ao mesmo tempo, classificar o Japiim. Não fez uma coisa, nem outra e o Goiano agora está na Tuna.
O time do eterno tapa-buraco Luis Carlos Apeú poderia ter Gian. Poderia, mas não vai ter, porque o Príncipe decidiu que seu reinado no aurinegro acabou há dois anos atrás. Sem um meio-campo do mesmo talento, Apeú decidiu encher o setor de volantes, que devem dar chutões para Helinho, correr, correr, correr, correr (sua maior, e única especialidade) e quando finalmente parar e cansar, tocar para Branco, ex-São Raimundo. E no gol, lá está Ângelo, ex-Águia, a cinderela do Mangueirão. O goleiro criticado pelos aguianos pegou até pensamento contra o Fluminense, no Mangueirão, pela Copa do Brasil. E ficou um tempinho na Cidade Maravilhosa defendendo o Ananindeua.
Sem muito dinheiro, a Tuna apelou para seus filhos desgarrados. Analdo, foi cedido pelo Águia para um breve retorno ao Souza. Outro tunante que retornou é Jaílson, que estava no ataque no Cametá no Parazão 2010.

Santa Rosa x Parauapebas

 O Santa virou um autêntico filho da mãe. Filho de Mãe do Rio. Esta é a nova casa do ex-icoaraciense, que espera chegar a fase principal do Parazão como fez neste ano. A principal novidade do time comandado por Dinho Vieira foi trazer de volta o lateral-esquerdo Souza, ex-Remo e Paysandu e conhecido por sua boemia. O que segundo os mais antigos, teria feito com que ele  fosse para o futebol amapaense ao invés de seguir vôos mais altos.
Já o Parauapebas faz o primeiro jogo de sua história na Primeira Divisão. Nada mal para quem tem apenas um ano de vida. O PFC praticamente importou toda sua mão de obra do Independente de Tucuruí, incluíndo o técnico Samuel Cândido, tri-campeão da segundinha com o time do Sul do Pará. Ainda fazem parte do elenco jogadores como o meio-campo Marçal, ex-Remo e o lateral Lima, que teve passagem apagada pelo Baenão na Série D do Brasileiro.

Ananindeua x Abaeté

A Prefeitura de Ananindeua, mantenedora da Tartaruga, pegou leve nos gastos com o clube em 2010. O resultado foi uma campanha apagada na fase principal. Mas com a redução no número de classificados, os mandatários da cidade da região metropolitana abriram os cofres e trouxeram o folclórico Landu, que vai jogar ao lado do discreto Trindade. Vice-campeão da Segundinha, o Abaeté tem orçamento apertado, mas conta com o entusiasmo do principiante técnico Ney Sorvetão, ex-zagueiro. E espera ter a inspiração de Leandro Cearense, artilheiro da Segundinha com 9 gols.

Time Negra x Sport Belém

Se antipatia contar pontos para a classificação, o Time Negra já está na frente. Se tem uma missão quase impossível, é falar com os dirigentes do clube e com o técnico Didi, pouco solícitos à imprensa. Se o Santa Rosa é o filho da mãe, o Time Negra é o filhinho de papai. O papai no caso, o Paysandu, mantenedor do clube, e que cedeu jogadores da base para a competição.
Dono do orçamento mais modesto dos oito concorrentes, o Sport Belém tenta ao menos não cair. Otimismo não falta ao técnico Edmilson Melo, o Cerpinha, que conseguiu um reforço de última hora: o goleiro Evandro, ex-Remo e que estava no Santa Rosa, agora é do Dragão da Maracangalha.

Luiz Omar Pinheiro vai ter mais um mandato a frente do Paysandu. A situação venceu a eleição do Condel por mais de 100 votos de diferença sobre a oposição.

Como já falei várias vezes, Luiz Omar fez um bom trabalho quanto ao saneamento do clube. Ficou devendo no futebol em parte por causa do comportamento impulsivo. Por isso, o desafio maior no próximo mandato é saber delegar funções. A contratação de Givanildo é um grande passo para tirar o Bicolor da série C. É um nome de credibilidade junto à torcida, o que Zaluar, Edson Gaúcho, Edson Boaro ou Paulo Roberto não tinham.

Um será técnico e o outro, dirigente do Clube do Remo. Mas por trás da contratação de Paulo Comelli e Armando Bracalli, há uma tendência para o Remo 2011. Um Leão que deve falar o R puxado, já que ambos tem longa vivência no interior paulista, onde jogadores bons e baratos são facilmente achados.

Que o critério técnico seja a prioridade na hora de contratar os reforços. E não o fato de estarem ligados a radialistas locais.

Faz um tempão que não escrevo para este humilde blog e vou explicar: estou doente. Estou sofrendo da abstinência de futebol. Futebol passa o tempo todo na tv, mas para mim não basta. Quero ver jogo ao vivo. Quero pegar o ônibus e sentar seja na Curuzu, Baenão, Souza ou Mangueirão, uma partida do Parazão.

Não aguento mais falar de dirigentes, cartolas, dívidas, conselhos, chapas e por aí vai. SOCORROOOOOO! Começa logo, Parazão.

P.S: Nesta quarta-feira, teve a final da Segundinha e o Parauapebas venceu o Abaeté. Nada mal conquistar um título com apenas um ano de existência. E o PFC estará reforçado no Parazão pelo atacante Leandro Cearense, artilheiro da Segundinha com 9 gols pelo Abaeté e o volante Dudu. O time do Sul do Pará não está para brincadeira.
Lamentável apenas o local da decisão. Gramado castigado pelas chuvas e iluminação precária. Isso porque um dos dirigentes da FPF é engenheiro elétrico. Mas tudo bem. O que importa mesmo para quem manda na FPF são os afagos do Ricardo Teixeira.